Entre em contato por email
Siga instagram e facebook

Para acompanhar o meu trabalho e/ou agendar consulta, preencha o formulário ao lado

Nome *
Nome

Rua Senador Dantas 117, 1723
Rio de Janeiro
Brasil

21964692449

Sou Psicólogo corporal, Acupunturista Somático e Facilitador de grupos. Nesse site você vai saber mais sobre meu trabalho, percurso profissional, as técnicas que utilizo em meus atendimentos e vários textos informativos dentro da área de saúde, bem estar e arte.

Dominação, Exploração, Mistificação

Esquizoanálise

Dominação, Exploração, Mistificação

Bruno Cuiabano

A natureza é generosa, mas também agride o homem e o coloca sempre diante de sua própria fragilidade.

Indivíduos acabaram por se associar, estabelecendo uma aliança para dominar a natureza e coloca-la a seu serviço. Para se organizar diante do caos e da insegurança, produziram um modo de vida humana pautado na exploração de recursos e distribuição deles, convertendo-se numa entidade coletiva, comunidades.

capitalismo e produção de subjetividade

Devido a suas restrições individuais, eles se submeteram e privaram-se de bens e liberdade em prol desse poder coletivo. Assim criaram uma modo de sociedade que com o passar da história vão se estabelecer como dominante sobre outras sociedades. Da mesma forma concomitantemente, dentro dessas sociedades, classes de indivíduos também vão se estabelecendo como dominantes sobre outras classes de indivíduos.

Essa formação social tem como base de manutenção e expansão os fenômenos de:

exploração A associação dos homens não é equitativa, nem justa nem fraterna, a distribuição dos sacrifícios e esforços é desigual. Desigual distribuição de riqueza, poder, prestígio e reconhecimento.

dominação Os homens tiveram que darem-se leis para preservar uma união que por fim acaba se tornando um modo de formação de soberania.

mistificação. Para que a exploração e dominação perdurem é necessário um sistema que reproduz uma ideologia da escassez. Essa experiência de impotência camufla a desigualdade gerada pelas classes dominantes dos homens que se associam para exercer poder nos âmbitos do trabalho escolar, médico, comercial, industrial, artístico.

O modo de produção capitalista atingiu o maior grau de extensão e de universalidade sobre o planeta. Igualmente a modernidade tem produzido uma ampla ordem de liberdade para seus integrantes com os avanços das ciências, das artes e das filosofias, suas redes de transmissão de saber e saber fazer.

Chegamos a era da abundancia, mas não conseguimos superar essa dominação, exploração e mistificação. Pelo fato de que o montante de trabalho não é retornado em justa medida.